Sábado, 7 de Março de 2009
Um tónico contra a crise

Atordoados pela crise, já não sabemos receber boas notícias. O pessimismo tornou-se um tique. Quando perguntaram a Churchill porque é que ele era optimista, ele respondeu que não via a utilidade do contrário.

No meio de tanta coisa a correr mal, há hoje um sector para o qual se pode olhar com entusiasmo: o das energias renováveis.

O mundo tem vivido numa condição energética assustadora porque os seus recursos tradicionais estão a chegar ao fim e porque a sua exploração nos tem dado cabo da saúde, da bolsa e do planeta.

A velha condição energética mundial do último século e meio, baseada em energias não renováveis e sobretudo fósseis, é literalmente fatal. É a ela que podemos apontar o dedo pela ruína ambiental e pelas pavorosas guerras que tem gerado.

Desde tempos imemoriais se sonha e se fantasia com uma energia não suicida, mas nunca como agora ela se revelou viável - económica, social e ambientalmente. Os recursos de que dispomos hoje para produzir quantidades imensas de energia sem prestar 'tributo à morte' são notáveis.

Portugal, que nunca mais se cansa de gemer e fungar a sua lamúria, tem nisto um bilhete premiado. Sol, vento, mar e até água não faltam por aqui. Acresce que, desta vez, não só temos os recursos como estamos a começar a ter os meios tecnológicos, científicos e também industriais.

Já não somos internacionalmente só o país pitoresco do vinho do Porto e da sardinha em lata. Agora podemos passar a ser também um exemplo sério no sector das renováveis. O velho padre Himalaya, que em 1904 ganhou um galardão na Exposição Internacional de St. Louis com o seu forno a energia solar (o pirelióforo), lá onde se encontra, há-de estar a abençoar as novas gerações por, um século depois, darem finalmente tão bom destino à sua visão e ao seu genial invento.

E se o país precisa!

A nossa condição energética é ruinosa. Gastamos muito mais energia do que os outros parceiros comunitários para a fraca produção que temos. O nosso parque habitacional é um cesto roto do ponto de vista energético. E a nossa política de mobilidade uma catástrofe rodoviária sob vários pontos de vista.

Há que aproveitar para mudar vícios e erros insustentáveis e activar sectores que, aliás, estão hoje em veloz expansão. Na eólica já produzimos 10% da electricidade que consumimos e estamos prestes a duplicar este valor, levando desenvolvimento a zonas mais pobres, aplicando conhecimento e fabricando tecnologia que exportamos.

A produção de electricidade a partir da ondulação marítima dá já os primeiros passos e no sector da biomassa existem óptimas oportunidades de produção. No biogás idem. Nos biocombustíveis a pesquisa avança para matérias-primas que não são utilizadas na alimentação (microalgas, jatrofa). Nas hídricas temos um forte antecedente com possibilidade de modernização e melhoria de eficiência, sem necessidade do programa faraónico de onze grandes barragens.

No solar, então, temos enormes vantagens. Para ele foi anunciado pelo Governo um pacote de benefícios fiscais e apoios directos para a colocação de painéis de água quente solar em 2009 (50% encargo do Estado e 30% descontado no IRS). Esta medida liga-se à eficiência energética dos edifícios e, também aqui, foi garantida a realização de auditorias e obras nos edifícios públicos a partir de Março...

Sem poupança de energia, nunca haverá produção que chegue para suprir as nossas carências. E é enorme a oportunidade de emprego e de negócio aberta pelo recondicionamento energético do nosso parque edificado, incluindo o turístico e o público (isolamento térmico, água quente solar, eficiência na iluminação, reabilitação). São obras que activam a economia e que têm futuro.

Em conjugação com tudo isto, temos ainda a microgeração, segundo a qual cada consumidor de energia eléctrica pode passar a ser também um produtor.

Contudo, a complexidade de todos estes processos é tanta que há ainda um enorme caminho a percorrer. Em matéria de política energética, não basta conjugar recursos naturais e tecnológicos com circunstâncias económicas e políticas favoráveis; é preciso igualmente assumir as dimensões sociais da sua implementação. As mais magníficas intenções podem resultar nos maiores absurdos, se não for considerado o 'factor humano'.
Esperemos que o hábito errado de executar planos e medidas tratando a questão social como uma matéria fútil, que meia dúzia de procedimentos publicitários resolvem, não venha a deitar para o lixo o bilhete premiado que nos saiu. Há que cuidar da maneira de distribuir essa sorte por todos e não apenas pelos que se chegam mais depressa à frente. A situação não se resolve pelo dinamismo dos mais 'espertos'. Resolve-se pelo dinamismo responsável dos precursores, e isso exige políticas públicas, socialmente mais informadas, melhor acompanhadas, avaliadas e comunicadas.
De resto, não vale a pena andar à procura de petróleo no Beato mesmo que ele lá esteja (como parece que está). O país dispensará no futuro esse pesado visco negro do qual tanto depende. O século agora é outro; e, mais ainda, o milénio é outro: o das renováveis e da qualificação ambiental. A saída da crise passa por aqui.

Perguntar não ofende

O Plano Nacional de Barragens propõe-se construir mais dez. O primeiro-ministro, coadjuvado pelo seu afinado coro governamental, assegura que elas vão gerar emprego e electricidade. Mas que tipo de emprego e quanta electricidade? E tudo isto destruindo que montante de valor ambiental e económico noutros sectores? Eis perguntas simples, de bom senso, que a nossa opinião pública nunca merece ver respondidas de forma clara e sincera.

Mas há mais. O que vai acontecer aos caudais ecológicos dos rios intersectados? Que efeitos produzirão as novas barragens na erosão costeira, devido à retenção de sedimentos? Quanto CO2 será efectivamente reduzido? E, considerando as alterações climáticas, haverá água para todas as barragens planeadas sem afectar os outros usos? Qual o contributo destas gigantescas obras para a nossa autonomia energética?

Estas e outras perguntas vão ter de ser agora respondidas aos peritos que a UE vai nomear para analisar o megaplano de barragens que lhe pareceu pouco ajustado aos valores que o Governo apresentou quanto aos ganhos ambientais ao nível das emissões de CO2 e quanto aos caudais ecológicos dos rios.

Por outro lado, está longe de ser clara a ligeireza com que se exclui à consideração um plano alternativo de pequenas barragens construídas a jusante das já existentes - os chamados contra-embalses - para, em articulação com as eólicas, aproveitar a electricidade que não se gasta durante a noite bombeando água para montante e gerar, desse modo, mais energia nas horas de maior consumo. E, já agora, porque não são os Planos das Bacias Hidrográficas, actualmente em elaboração, a determinar a localização das barragens que forem necessárias? Porque nunca se debatem com clareza as vantagens e desvantagens destas grandes obras?

A do Sabor, no último rio selvagem da Europa, vai custar quanto em termos de perda ambiental, paisagística e turística?

E tudo isso para justificar 0,3% (sim 0,3%!) das nossas necessidades totais de energia eléctrica? Tal como a do Tua, com graves impactes nas vinhas da Região Demarcada do Douro e na lendária linha de comboio, para um contributo de 0,5% (sim, 0,5%!)? Não seria antes de investir na requalificação da célebre linha do Tua, prolongando-a até Bragança e daí até Puebla de Sanábria? Também é obra pública!

Só um debate aberto, baseado em conhecimento e em dados, nos permite perceber com seriedade, se estamos a avançar para estas grandes obras em nome de uma política racional de energia, ou em nome de outras coisas que podem dar jeito agora, mas que lesam irreparavelmente o interesse público.

Perguntar ofende

O que nem merece interrogações é a ideia peregrina de explorar urânio em Nisa. Basta relembrar o que aconteceu na Urgeiriça, onde esta opção foi, e ainda é, ruinosa em termos paisagísticos, ambientais e de saúde pública. Neste caso ainda é mais grave, porque Nisa tem já 20 anos de investimento consistente e produtivo no polígono - paisagem, turismo, termalismo, produtos biológicos - gerando emprego, conhecimento e dinâmica comercial.

E não venham falar em contrapartidas dos postos de trabalho, os quais, neste caso, além de precários e desqualificados, irão liquidar outros empregos sustentáveis que têm vindo a ser criados.

Agências energéticas

As boas notícias vêm da actuação de algumas agências de energia, entre as quais as de Lisboa e Porto, ambas presididas por duas personalidades respeitadas e energéticas: Delgado Domingos em Lisboa (E-nova) e Oliveira Fernandes no Porto (AdEPorto).

Lisboa já instalou os primeiros pontos de carregamento na rua para veículos eléctricos; iniciou a monitorização na iluminação pública através de sensores que apagam as luzes não necessárias (o que permitirá poupar até 200 mil euros por ano); vai optimizar o desempenho energético dos edifícios da CML; começará em breve a utilizar semáforos LED que consomem muito menos energia; bem como painéis solares para aquecer as piscinas municipais.

No Porto, onde a agência é mais recente, prepara-se a instalação de água quente solar em todo o parque residencial, a começar pela habitação social; aposta-se no bom desempenho energético das piscinas, escolas, lares, centros de saúde e hospitais; racionaliza-se a iluminação pública. Voltaremos ao assunto.

 

Luisa Schimdt no Expresso

 



publicado por joselessa às 15:27
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

ADEUS SENHOR DOMINGOS

A TRISTE SINA DE SINISTRA...

NOITE SEM OLHOS

AMO DEMAIS

ESCUTA-ME

VAMOS AJUDAR O ALBINO...

NOVIDADES PARA VER NO POR...

LINGUAGEM PARLAMENTAR

NOVAS LEITURAS E TUDO O M...

A motivação de um líder

arquivos

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

favoritos

eu

Cancioneiro popular

ELEITO DO DIA

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds