Sábado, 7 de Março de 2009
Elogio do Livro Realmente Mau

Consegui finalmente descobrir quem se prontifica a disciplinar-me a biblioteca, arrostando com a esquisitice catalogante que não desisto de propugnar. E se alguma vez acalentei o propósito de entretanto me desfazer de uma boa braçada de espécies irrelevantes, cedo concluiria eu que possui muita força o hábito, e não menor a perversão do gosto. Só de longe a longe me aparece agora um título negligenciável, a meter no caixotinho que tenciono enviar de presente a um querido amigo, ainda mais interessado do que eu no trash que faz virar, contorcida num esgar de nojo, a focinheira dos bem-pensantes. São tantos os livros reles, suscitadores da minha maravilha, que não raro me interrogo sobre a legitimidade, ou sobre a delícia, de fundar uma basta secção de reservados hediondos, não menos honrosa do que a colecção oficial.

Há aqueles que alguém me ofereceu com afecto, ou com esperança, ou com cândido orgulho, o que tudo conforma um bouquet de sentimentos respeitáveis. Mas existem também os que beneficiam de uma capa de qualidade, incompaginável com a ineficácia do miolo, e os que a exibem tão asquerosa que não poderão deixar de enriquecer, incomparáveis peças, um museu imaginário de horrores. Impõem-se ainda os que contêm a dedicatória esdrúxula, ou patética, ou simplesmente cómica, e que devem por isso permanecer à mão, a fim de me alegrar o serão de Inverno, passado em calorosa companhia. Como alienar depois esses que, monos evidentes que o tempo como tal consagraria, foram pernosticamente saudados, ao surgirem, como "um acto extremo de criação", susceptível de bloquear, e sem apelo nem agravo, a literatura pátria ao longo dos próximos cem anos?

Tenho verificado que entre escritores, e sobretudo quando se trata de avaliar contemporâneos, se fala muito mais, ou com entusiasmo maior, das deficiências das obras do que das respectivas vantagens. Nada pois como conservá-las ao alcance, e de forma a ilustrar com leituras adequadas o desfavor com que as olho, e que alimenta o meu ego de presumível melhor. Daí até expulsar das prateleiras aquilo que se mostra incontestavelmente valioso, e portanto inútil, ou deletério, não irá mais do que um saltinho de pardal. E se não me restou espaço disponível para os tesouros que o futuro me trouxer, que importará isso, se a lixeira que acumulei, e que sinceramente estimo, preencher algumas horas dos pobres dias que vou gastando?

Bem vistas as coisas, não haverá livro que mais me toque do que o que for, se o critério "correcto" me não enganar, o que se chama "realmente mau".

 

Mário Claudio no Expresso



publicado por joselessa às 15:23
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

ADEUS SENHOR DOMINGOS

A TRISTE SINA DE SINISTRA...

NOITE SEM OLHOS

AMO DEMAIS

ESCUTA-ME

VAMOS AJUDAR O ALBINO...

NOVIDADES PARA VER NO POR...

LINGUAGEM PARLAMENTAR

NOVAS LEITURAS E TUDO O M...

A motivação de um líder

arquivos

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

favoritos

eu

Cancioneiro popular

ELEITO DO DIA

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds